Mulher casada da minha igreja

Tinha uma mulher casada da minha igreja que a gente sempre conversava de boa, nome dela era Fabiana até que as conversas foram ficando quente e começamos ter intimidade, falar muita sacanagem, trocas fotos e até chamada de vídeo.

Uma quinta-feira que era meu aniversário, eu tava dando uma volta na rua, e trocando mensagem com ela, dai ela disse que tava saindo pra buscar uma pizza que tinha pedido, na hora já pensei na maldade.

Perguntei se ela náo tava afim de se encontrar comigo e me dar um presente de aniversário, nem que fosse dar uns beijos, ela relutou porque disse que as filhas estavam esperando a pizza, e que não ia dar.

Nisso eu tava com meu carro atrás do dela, mandei uma mensagem e disse: “Me segue” a danada me seguiu mesmo, levei ela em um loteamente novo que tinha na época.

Chegando lá começamos nos beijar, ela com pressa, mas tava muito bom, coloquei a mão por baixo da saia dela e senti a calcinha toda molhada enquanto beijava, não pensei duas vezes, baixei a calcinha dela e sentei ela no capô e comecei chupar aquela buceta, ela gemia gostoso de mais, e ela era muito gostosa e safada. Do nada ela levantou dizendo que precisava ir embora.

Fomos nos beijar pra se despedir e ficamos um bom tempo beijando, dei aquela puxada na cintura e comecei apertar a bunda e fazer movimentos, dei uma afastadinha e abri minha calça discretamente, nisso peguei a mão dela e coloquei no meu pau, ela só deu uma olhada safada pra mim e tascou um belo beijo, antes que eu tivesse qualquer reação ela abaixou e começou me chupar,

Que boquete foi aquele, o melhor da minha vida, ela chupava com tanta vontade… nisso ela parou por um instante subiu e começou me beijar enquanto me punhetava, não peesi a oportunidade, levantei a sai dela, abaixei a calcinha e encostei ela no carro, ela se virou dizendo que precisava ir embora, mas eu tasquei um beijo que ela ficou desconcertada, virou e disse mete logo que eu não aguento mais.

Que foda foi aquela, uma rapidinha, mas uma das melhores foda da minha vida.

Deixe uma resposta